Posted by : Monik Ornellas

No último curso de Reflexologia quando estávamos estudando a metafísica das doenças, uma aluna me perguntou: porque somos tão ansiosos? É uma reclamação que sempre recebo e algo que também me incomodava bastante: como acabar com minha ansiedade?




Há tempos venho trabalhando as expectativas, as cobranças e o desejo pelos resultados que eu mesma sempre cultivei em relação à tudo que faço. Expectativa e auto cobrança de resultados são uma ponte direta para ansiedade.

O que descobri me observando é que a ansiedade está, quando nós não estamos em casa. Quando você está láaa no fim de semana de sol, chopp e amigos, na noite de namoro daqui há dois dias, na apresentação do projeto em uma hora, ou qualquer evento que cause um frisson, uma emoção ou qualquer tipo de bem estar físico e emocional que você NÃO desfruta no seu AGORA, então, a ansiedade nasce, cresce e nos absorve.

Passamos a dormir e acordar contando horas para a chegada da fonte de prazer que está lá na semana que vêm, daqui a 1 hora ou no dia seguinte, mas nunca aqui e agora.


Aquela crença que habita todos nós do "no pain, no game", onde acreditamos que, sem dor, sofrimento ou dificuldade o caminho não é válido, alimenta nossa ansiedade em 1000%. Estamos fazendo nosso trabalho chato para pagar contas, mas sonhando com um futuro primoroso, feliz, relaxante e que nunca chega. 

Mas, quando o momento feliz enfim se dá, também ficamos ansiosos porque não queremos que ele acabe, pois na segunda-feira a vida voltará a ser tom pastel-automático, logo, passamos a viver o mal estar da rotina antes mesmo que ela retorne, detonando o prazer, a curtição e a presença do tão esperado "momento feliz". Por isso é tão comum alcançarmos nossos objetivos, e ainda assim, estarmos vazios de contentamento.

Mas, o que é essa tal de PRESENÇA mesmo?



Eu sempre falo de presença, mas acho que muita gente não entende bem esse conceito. Presença, é quando estamos em Terra, lúcidos, perceptivos e respirantes dentro do aqui e agora. É quando você está presente e atento aos fatos do cotidiano entendendo que estes estão em relação à você e não você está em relação à eles. E isso inclui assumir responsabilidades sobre as próprias escolhas, como também pelas não-escolhas

Muito da ansiedade vêm, pelas não escolhas. A maioria das pessoas crêem que o mundo é aleatório e que boa parte do que acontece em suas vidas são efeito do acaso ou do destino, dessa forma, estão desprovidas do leme do próprio caminho. Esses conceitos alimentam a posição de vítima, e quando estamos no trono da vítima apontando e culpando o mundo e as pessoas pelo que nos acontece ou deixa de acontecer, a ansiedade se torna uma companheira de látex, botas e chicotinho em punho (muitas vezes, não tão chique assim). 

Presença é aceitar o momento, o que não significa se conformar com ele. É perceber o mal estar intrínseco em cada coisa que fazemos e escolher deliberadamente não fazê-lo ou mudar a forma como se faz. É perceber que aquele emprego lhe faz mal, te coloca pra baixo, mina sua auto estima e escolher mudar de emprego ou transformá-lo num trampolim; é sentir que aquele relacionamento io-io, te faz mais mal do que bem e escolher terminá-lo, recriá-lo ou entender o que te prende à ele afim de desatar o nó, é sentir o incômodo que aquele amigo ou pessoa te causa e buscar seu próprio incômodo espelhado no outro, entre uma enormidade de percepções que conseguimos desenvolver com o exercício contínuo da presença, seguida da escolha.

O que quero passar é que quando estamos presentes a cada momento, temos muito a perceber e escolher, e o exercício contínuo de percepção e escolha, vai linearizando novos acontecimentos cada vez mais felizes para nosso dia a dia-a-dia porque estamos a todo momento apontando para o que nos faz bem. E quando estamos mais felizes dentro das pequenas coisas do dia-a-dia, tendemos a projetar cada vez menos nossa felicidade para momentos futuros, exatamente porque a estamos vivendo agora. Bem estar aqui e agora = 0 ansiedade.

Ainda me sinto uma criança nessa prática de perceber, sentir e escolher. Hoje sei que de tanto respirar, uma hora os pensamentos e sentimentos vêm à tona e do meu jeito vou lidando com eles e me centrando. A persistência sempre faz a diferença.

E é essa construção do presente no aqui agora que diminui em muitos % o grau da nossa ansiedade.

10 para a Ansiedade, 0 para Presença, QUANDO:


Tem bicho mais ansioso e imediatista do que nossa criança?
- Nossa mente fervilha que nem bata-quente-crocante com milhões de projetos (meu caso); para trazer uma paz a esse frenesi aprendi o mantra "respira e prioriza".

- Acreditamos que certas situações são "maktub" (do destino); sempre podemos mudar as situações, se não podemos mudá-las, podemos mudar como nos sentimos em relação à elas e só isso, já muda tudo.

- Colocamos o poder de decisão na mão dos outros, lhes atribuindo a responsabilidade - e consequentemente a culpa - por decisões que são nossas; já quando assumimos nossas pendengas, nos tornamos o eixo do problema e também a via de solução.

- Não confiamos no que fazemos e acreditamos mais no feedback externo, do que naquilo que sentimos; depender da opinião alheia para se sentir bem é uma furada, que sempre caminha para afundar nossa auto estima.

- Temos como desejo atender as expectativas externas; desista, cada pessoa é um universo e nunca iremos agradar 100% delas, ás vezes nem 10%. Só podemos agradar a nós mesmos em 100%.

- Complicamos processos simples e protelamos resoluções imediatas com medo dos resultados, que só são ruins, pesados ou grandes na nossa doce e ansiosa imaginação.

- Temos necessidade de estar sempre em movimento e sob muita demanda; se você transa bem a pausa entre os movimentos, ok, caso contrário, o estado de calmaria ao invés de trazer alívio e descanso se transforma num estado de espera absurdamente ansiosa "pelo próximo passo".




- Vivemos em busca da cenoura de ouro ao colocarmos toda nossa felicidade nas mãos de alguém, na realização de projetos, no concluir de tarefas, no ganho de dinheiro ou qualquer coisa que esteja fora de alcance no aqui e agora; Não é estranho colocarmos nosso foco num possível resultado futuro, quando deveríamos estar totalmente focados no processo que leva à ele?

- Vivemos no mundos sonhos, sem fazer nada para materializá-los; sabe aquela frase: "você sonha em ganhar na loteria, mas não compra o bilhete? Por aí.

- Não damos atenção às nossas necessidades físicas e emocionais. Você e eu vivemos num corpo voltado para o prazer, é só observar nossos sentidos, todos eles nos remetem à alguma forma de prazer imediato. É como se estivéssemos encaixotados numa armadura que pede tudo o tempo todo, mas o que damos à ele? Horas de trabalho exaustivo, dietas insossas, paisagens congeladas, ausência de toque e intimidade? Esses são só os desejos físicos que buscamos conter e que só podemos extravasar nos fins de semana, talvez.

- E para finalizar: quando jogamos a responsabilidade das nossas necessidades físicas, emocionais ou materiais para os outros.

A ansiedade detona:

O sono: Você deita para dormir, mas continua planejando e organizando mentalmente tarefas que só poderão ser feitas no dia seguinte. Seu corpo não entende que já está na hora de desligar e recarregar, por isso, continua em alerta, como consequência você tem insônia ou desenvolve distúrbio do sono.

Este post por exemplo, comecei a construí-lo ontem quando estava na cama, tive o ímpeto de levantar para escrever, mas optei por ter um boa noite de sono sabendo que a inspiração e criatividade seriam melhores com um corpo recarregado.

A alimentação: enquanto coloca a comida no prato você está pensando nas ligações que tem que dar, no relatório a fazer, entre uma lista infindável de afazeres. Com isso, deixa de perceber quais tipos de alimento seu corpo está precisando e quanto. Tomado pela pressa, não mastiga direito, como também não degusta o sabor daquilo que come. Parece que não, mas o ato de comer alimenta diversas partes nossas. E a falta de atenção ao ato de alimentar-se sempre busca suas compensações.

Porque muitas pessoas que se sentem ansiosas comem? Prazer e recompensa imediatos. Necessidade inconsciente de preencher o vazio emocional interno. Eu fazia isso quando estava em depressão, comia que nem um animal até me entupir para sentir alguma coisa, mas só conseguia sentir mal estar, tristeza e decepção.

Num dia-a-dia sem graça, irritante e chato, uma bomba de chocolate adoça o paladar, a vida, além de liberar endorfina e uma breve sensação de "graça". E quanto mais nos desgostamos do que fazemos, mais bombas são necessárias para nos ajudar a passar pelas 24 horas de sacrilégio por uma vida "digna". O nome disso? Compensação.

O desempenho sexual: é comum pessoas ansiosas estarem mais focadas no gozo, do que na transa em si. É busca do alívio e da recompensa, fomentando relações sem entrega ou profundidade.

As relações: relação dá trabalho, é comunicação e atenção. O ansioso normalmente não tem tanta disponibilidade e tempo para se dedicar a compreender o que acontece com seu parceiro, ou quem sabe, vive para corresponder as expectativas do parceiro, o que também não é relacionar-se.

Enquanto não escolhermos o prazer de uma rotina feliz sob todas as formas: no trabalho, nos relacionamentos ou até mesmo na rotina das pequenas coisas, estaremos sempre ansiando por momentos, coisas e pessoas que não temos, mas que acreditamos nos tornarem mais felizes.

Por exemplo, em determinado momento escolhi que escrever seria um prazer a ser degustado no ato da composição de cada post e nunca mediante a aprovação de quem lesse. É bom ter e respeitar meus pensamentos, além de me reservar o direito e o prazer de os expor sem filtros. Críticas e comentários que antes me deixavam ansiosa, hoje vejo como bons feedbacks e expansões daquilo que penso.

Aprendi a duras penas, que a qualidade dos meus esforços não podem estar relacionadas aos resultados futuros, e com isso passei a criar deliberadamente momentos de grande prazer quando estou escrevendo, manipulando ou atendendo. Ainda assim, de vez em quase (sempre, rs) acabo colocando expectativas, para logo em seguida me sentir ansiosa. Mas, também descobri que não gosto da sensação de ansiedade, então, sento, me encontro com meus pensamentos e vou com calma e paciência re-aprendendo a sair do "lá" e voltar para cá. 

E é assim, estar aqui e agora é um eterno aprendizado de - 500% de ansiedade que vale a pena cultivar.

Como Equilibrar?
Você precisa urgentemente sair do futuro e se ancorar no presente. Existem várias técnicas para isso, porém, é preciso a prática constante delas, afim de criar raízes no aqui agora.

Ritual do Agradecimento
Parece bobo, sem sentido, mas, você precisa trazer sua atenção para hoje, o agora, e perceber que nesse exato momento a vida já te oferece coisas maravilhosas, dessa forma, a ansiedade em obter prazer, felicidade e recompensa no futuro diminuem absurdamente.

Qualquer lugar é lugar para praticar, em casa, no engarrafamento, na fila de banco, no banheiro ou simplesmente toda vez que se sentir ansioso e agitado por alguma situação.

Agradeça, agradeça por absolutamente tudo, pelo ar que respira, por pensar, por poder agradecer, busque pequenas coisas diárias pelas quais possa se sentir grato(a).

Esse ritual quando feito com total entrega, pode nos levar à um profundo estado de "graça". Já o experimentei algumas vezes e não existem palavras que possam contar como é nos sentirmos profundamente gratos pela vida, independente do momento que esteja vivendo.

Apreciação
Não importa quão grande ou complicado seja o problema que esteja vivendo, a vida é bela nesse exato momento e te proporciona belezas incríveis.

Pare, procure o céu, flores ou qualquer coisa simples pela qual possa apreciá-la, que te desperte um olhar de beleza, busque tudo à sua volta. Esse é um baita exercício de percepção e a prática constante dele irá te proporcionar mais leveza na vida, pois automaticamente seu olhar está focado nas resoluções simples e leves. Mas, essa mudança pede prática! Pratique muito, até ficar fluído ao ponto de fazer naturalmente em qualquer situação.

Também é um excelente exercício para a falta de criatividade ou quando não consegue encontrar soluções aparentes.

Sinergia Pessoal e Creme Equilíbrio
Fiz uma mistura para acalmar o estresse causado pela ansiedade aliada a respiração profunda, te traz para o aqui agora. Tenho resultados obtido resultados maravilhosos com ela.  Confira aqui na loja virtual.

O Creme Equilíbrio é um calmante natural, feito com óleos essenciais para processos de tensão emocional, ideal para quem sofre de crises de ansiedade. Confira aqui. Toda Linha Equilíbrio foi feita para acalamar, veja qual produto se encaixa no seu perfil, clicando aqui.

EFT e Terapia
Você pode abusar do EFT para desconstruir suas ansiedades e medos, é maravilhoso! Em contrapartida, um terapeuta qualificado também pode te ajudar a colocar suas expectativas pessoais num patamar que te traga tranquilidade. Terapia é uma questão de amor próprio.

Massagens
Ao nos sentirmos tocados e cuidados, fechamos várias portas emocionais e nos proporcionamos mais tranquilidade. A massagem acalma o sistema nervoso, nos proporciona uma pausa e tira nosso foco do estresse mental. Escolha uma que combine com você e faça periodicamente como tratamento ou de forma preventiva.

Você irá notar que a prática da massagem irá te ajudar a descarregar o peso das preocupações da semana, além de proporcionar uma baita consciência corporal, que servirá de filtro no dia-a-dia, para que você perceba as situações que lhe causam mais estresse.

A ansiedade é totalmente tratável, só é problemática, quando o ansioso, devido a um profundo processo de recompensa imediata (quer tudo rápido), não tem paciência de esperar pelos resultados de cada um desses processos.

Fique à vontade para tirar suas dúvidas.
Abraço!

Monik Ornellas



Leave a Reply

Deixe suas dúvidas ou mande um e-mail.

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

- Copyright © Monik Ornellas - Skyblue - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -